Follow by Email

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

BOA SEMANA!



"Sabes, disse-me um velho amigo congolês, na nossa terra para passarmos de uma idade para outra temos de fazer um exame. (...)
Não é um desses exames que vocês fazem nas universidades, em que custe o que custar, à hora estipulada, num feixe de nervos, têm de desbobinar tudo o que aprenderam à pressão, nã! nada disso: É um exame completamete diferente. Queres um exemplo? Quantos anos tens? Então, para entrares no grupo dos trinta e oito anos terias de dar provas de que as plantas se desenvolvem sob os teus cuidados, e que tudo o que for plantado por ti germina. Se, com a tua idade, o reino vegetal reage mal à tua presença é porque existe algum bloqueio em ti, algo que ficou atrofiado e que faz de ti uma ameaça para a comunidade. Seria evidente que não terias tomado bem conta do teu corpo e da tua alma; impunha-se proceder à tua recuperação. (...)
E a ti, pergunto-lhe, que prova é que te espera?
- Aos cinquenta e dois anos, são-me concedidos três dias e três noites para ajudar uma família devastada pela morte de um ente querido, a superar o seu desespero e a transformá-lo em força viva. Se conseguir, serei admitido entre os meus. 
E acrescenta, acompanhando as palavras de gestos largos das suas esguias mãos negras:
Deste modo a nossa responsabilidade perante a criação aumenta com o passar dos anos, como os circulos que se formam quando atiramos uma pedra num lago e que vão aumentando em direcção à margem."
C. Singer, As idades da vida

9 comentários:

  1. Penso que nós somos submetidos a essa prova todos os dias: Logo que acordamos começamos a ser postos à prova e, quanto maior é a idade, mais difícil é o exame. Não é à toa que se diz que o exemplo vem de cima; somos nós os responsáveis pelos homens que teremos amanhã, pois é em nós que as crianças e jovens se reveem: são os nossos valores que os nossos filhos vão carregar pela vida e que depois vão transmitir aos seus. Tenho uma amiga que, quando vê uma atitude incorreta numa pessoa já madura diz: " não entendo como algumas pessoas não aprendem nada com a idade; tinham obrigação de ter outro tipo de comportamento" Tem toda a razão, pois vemos adultos sem a menor consciência do seu papel como pessoas mais velhas, mais experiêntes, pessoas em quem os mais novos teem os olhos postos.Temos que semear, plantar e depois cuidar das plantas e das flores com carinho e cuidado; elas serão aquilo que fizermos com elas desde bem pequenininhas. Um beijinho e uma bela semama para todos.
    Emília

    ResponderExcluir
  2. Sabe, Emília, quando comecei a ler este livro da Christiane Singer fiquei logo fascinada com este relato (aliás, tenho ficado encantada com tudo o que dela tenho lido). Adorei estes "exames" em que as pessoas demonstram efectivamente a sua aprendizagem ao longo da vida. Concordo consigo relativamente às provas a que somos submetidos diariamente e à dificuldade crescente de cada uma. No entanto, ainda são muitos os que avançam cronologicamente, mas não sentem a sua cada vez maior responsabilidade perante a criação. Talvez a existência de exames deste tipo consciencializasse melhor, cada um, para a responsabilidade acrescida que cada idade traz, para a abertura dos olhos e do coração a tudo o que nos rodeia. Como diz, "vemos adultos sem a menor consciência do seu papel como pessoas mais velhas". Esses não deviam ter "passado de idade" :)
    Beijo grande e uma bonita semana para si também
    Teresa

    ResponderExcluir
  3. Fiquei aqui a pensar que haverá quem ache "que bom ficar com a mesma idade...". E aqui reside o grande problema da sociedade ocidental: a desvalorização da riqueza que cada ano nos proporciona. O endeusamento da juventude. Parece que a maior das amabilidades que se pode dizer a uma pessoa é focar o seu "ar jovem" ou "espírito jovem". E é aqui que vejo a grande importância destes "exames": eles valorizam, de facto, a aprendizagem que a vida nos dá.

    ResponderExcluir
  4. ...é bom estarmos receptivos às provas que a vida nos oferece de acordo com o avançar dos anos.
    Desejo profundamente poder chegar à velhice, passando conscientemente por todas essas provas... adquirindo com cada uma delas uma maior e mais profunda consciência da importância e do sentido de viver.
    Obrigada pelo post... é de uma beleza incomensurável.
    Sempre,
    Isabel

    ResponderExcluir
  5. Sabe, Teresa, a minha mãe tem 80 anos; parece que tem muito menos; ela é vaidosa, se arranja; tem um espírito jovem; imagine que aprendeu a nadar sozinha aos 60; todos os dias nada um pouco, ou então anda na passadeira eletrica; fica feliz quando ajuda os vizinhos necessitados; compra mantimentos e leva lá, feliz da vida; ela diz sempre: " não sou velha, tenho sim muita idade; é uma pessoa aberta ao mundo, sem preconceitos, apesar de ter a 2ª classe. Sabe, adoraria chegar a essa idade com a juventude de espírito que ela tem.Imagine, os netos adoram a avó, porque ela os compreende e não vê mal nenhum nas atitudes que eles teem tão diferentes das que ela tinha na idade deles. Ela foi aprendendo com a idade; passou com distinção nos provas todas a que a vida a submeteu. Tenho muito orgulho dos meus pais nesse aspecto; o meu pai também é assim, apesar dos 82. Um beijinho e obrigada pelo post. Amanhã lá estarei para um novo dia..para um novo exame.
    Emília

    ResponderExcluir
  6. Concordo com a Emília&Hermínia: podemos avançar na idade e ganhar responsabilidade e conhecimento sem perder o espírito jovem.
    As pessoas mais velhas e mais sábias que conheci eram tão jovens de espírito e tinham uma mente tão aberta que podia falar melhor com eles como adolescente que com pessoas da mesma idade ou pouco mais velhas.
    Acho que a coisa mais importante que temos que aprender é a tolerância, a compreensão, o "ver os dois lados" de tudo, e isso é que nos faz ser sempre curiosos e atentos como uma criança.
    Ou, pelo menos, assim o espero - posso ficar velha e caquética (apesar que duvido da última parte com a tendência para engordar que tenho...), mas que a minha mente nunca deixe de perguntar "porquê?" nem de sonhar!

    ResponderExcluir
  7. Emília e Sónia
    Acho que não me expressei bem. O que quis dizer quando me referi ao "espírito jovem" enquanto sinónimo de leveza, abertura ao mundo, curiosidade, entusiasmo, é que este "espírito" não se limita necessariamente a uma única fase da vida - a juventude. Daí a elogiar uma pessoa adulta remetendo para a juventude estas características, creio ser extremamente redutor por um lado, e hiper valorizador por outro, de uma fase da vida que não é nem mais, nem menos rica do que as outras. Como diz a C. Singer
    "Todos nós somos parceiros de viagem. Essa viagem é a vida (...)
    Uma surpresa está reservada ao viajante que avance com o coração e os olhos bem abertos - sem pressa e, na medida do possível, sem remorso. Depois de ter sido despojado, ao longo do caminho, dos bens que anteriormente possuia vê-se, de repente, e para seu grande espanto, senhor de outros bens, dos até então desconhecia a existência e o valor. Aprende que - e a sua gratidão nessa altura não tem limites - nada lhe é tirado sem que lhe seja dado em troca algo de igual importância."
    Assim a nossa vida é uma permanente transformação e o nosso espírito de entusiasmo e leveza não se deverá limitar à fase da vida tão glorificada pela sociedade ocidental em que desde os critérios de beleza física aos da mente são ditados pela "juventude". Porque é que só os jovens teriam o direito de sonhar, Sónia? Longe de mim ter esse pensamento porque é justamente essa capacidade de sonhar que mostra o quanto estamos vivos (e não necessariamente permanecendo, estagnando, na juventude). Se há pessoa que para mim simboliza esta capacidade é justamente o Manuel de Oliveira. E já me estou a alongar demais (eu que até nem sou de muitas falas :)) Adorei esta conversa e acreditar que vamos envelhecer juntas em entusiasmo, curiosidade, aprendizagem e partilha de alegrias, amigas. Um grande abraço
    Teresa

    ResponderExcluir
  8. Isabel
    Imaginei que também te fosses rever nestas palavras da "nossa" Christiane Singer. Que possamos passar conscientemente todas estas provas que a vida nos oferece. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi Teresa, eu entendi o que quis dizer, por isso falei na minha mãe; esse espírito jovem não é só na juventude; em qualquer idade se tem o direito de sonhar e de querer viver. Não aprovo as ações de muitas pessoas para esconderem a idade; fazem tudo para que não se lhe notem os anos; isso é errado; temos que assumir a idade que temos, não termos problemas em sermos " senior" O que nos deve preocupar é em viver a nossa fase com entusiasmo , convencendo-nos de que ainda temos muito para dar e, como diz a minha mãe " só temos muita idade, o resto continua. É muito bom esta troca de ideias. Um beijinho e adorei o " papo "
    Emília
    PS Vou começar na próxima Quarta o meu voluntariado.

    ResponderExcluir