Follow by Email

domingo, 30 de outubro de 2011

Uma nova consciência para um mundo em crise

"Quando lhe é dada oportunidade o ser humano é naturalmente motivado para colaborar com os outros pela genuína alegria de contribuir para o interesse geral."
Jeremy Rifkin




No seu livro “Une nouvelle conscience pour un monde en crise” Jeremy Rifkin propõe uma releitura da história da humanidade numa perspectiva social e altruísta. Partindo da constatação de que jamais o mundo pareceu tão unificado (pelas comunicações, comércio, cultura) e, simultaneamente, tão dividido (pela guerra, crise financeira, aquecimento do planeta, difusão de epidemias), Jeremy Rifkin observa que a espécie humana parece incapaz de concentrar verdadeiramente os seus recursos mentais colectivos para “pensar globalmente e agir localmente”. Parece haver uma desconexão entre as nossas estruturas mentais (que nos predispõem a uma determinada forma de sentir, pensar e agir) e o mundo em que vivemos. A humanidade encontra-se na alvorada de uma etapa crucial e tudo indica que as antigas formas de consciência religiosas ou racionalistas estão ultrapassadas. Emergem novas formas de apreender a sociedade, a economia, o meio ambiente: Uma mudança gigantesca e profunda. Uma mudança que, segundo Rifkin, terá como alicerce o espírito colaborativo. 
De facto, florescem sites no âmbito da doação – desde a oferta de objectos
 
ao acolhimento de turistas numa casa aconchegante, paralelamente ao seu acompanhamento na descoberta de novos lugares. Assistimos à multiplicação de modelos de cooperação como a Wikipedia, ou Linux onde milhares de internautas partilham os seus conhecimentos. Proliferam fóruns, projectos de apoio nos mais variados campos (ver projecto Boinc). A nova geração do milénio envolve-se, cada vez mais, na colectividade de que faz parte. Há quem lhe chame a “Geração G” (G de generosidade/gentileza) dando-nos uma visão da natureza humana que nos revigora e o oxigénio que precisamos para respirar num contexto que parece sufocar-nos. Estamos cada vez mais conscientes da nossa interdependência e da necessidade de repensarmos os nossos modelos filosóficos, económicos e sociais. Um mundo de possibilidades e desafios. De esperança também. 



Nota: Bora Mudar o Mundo é o mote de "Um Blog pelo Ambiente". Recomendamo-lo vivamente. O último post revela de uma forma fantástica a interdependência que se manifesta de um modo tão expressivo na blogosfera. Inspirador!

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Vamos

A esperança prospera mesmo debaixo das condições mais desfavoráveis.
Alejandro Dolina
 

AQUI
 

domingo, 16 de outubro de 2011

17 de Outubro - Dia internacional para a erradicação da pobreza

“Se acreditarmos firmemente que a pobreza é inaceitável – que não poderá ter lugar numa sociedade humana civilizada – então construiremos instituições e traçaremos as políticas apropriadas para criarmos um mundo sem pobreza (...)
É possível eliminar a pobreza do nosso mundo, porque ela não é natural aos seres humanos – mas é imposta artificialmente. Dediquemo-nos a acabar com a pobreza o mais depressa possível, metendo-a nos museus uma vez por todas (...)

(…) Tendemos a estar tão ocupados com o nosso trabalho do dia-a-dia que nos esquecemos de olhar pela janela das nossas vidas para confirmar em que etapa da viagem nos encontramos, ou aproveitar para reflectir sobre o destino a que queremos verdadeiramente chegar.

Cada um de nós deveria elaborar uma lista de sonhos para reflectirmos em que tipo de mundo queremos viver (…)

Este processo de imaginação de um mundo novo é um dos principais elementos em falta no actual sistema de ensino. Preparamos os nossos estudantes para o trabalho e para a carreira profissional, mas não os ajudamos a pensar enquanto indivíduos sobre o tipo de mundo que eles gostariam de construir (…)

Sonhar com um mundo melhor é divertido. Mas o que pode fazer cada um de nós para aproximar esse mundo da realidade? Uma medida prática é a criação de uma pequena organização para realizar parte do objectivo – aquilo a que chamo “fórum de acção social”.

Um fórum de acção social pode ter apenas três pessoas que se juntam para resolver um único problema local e de fácil resolução. Poderão dar ao fórum um nome engraçado, audacioso, inovador ou simplesmente o nome dos respectivos membros.

Uma vez criado o fórum, definam o vosso plano de acção para o ano em curso. Por exemplo, ajudar um desempregado, um sem-abrigo ou um mendigo a encontrar uma actividade remunerada ou capaz de gerar um rendimento que lhe permita sair da pobreza. Seleccionem a pessoa pobre que querem ajudar, sentem-se com ela e inteirem-se do problema que a impede de progredir e depois encontrem a solução.”

Muhammad Yunnus, Criar um mundo sem pobreza



Aqui fica a proposta. Porque cada um dos nossos mais pequenos actos pode ter consequências imensas no mundo que nos acolhe, porque “NÓS CRIAMOS AQUILO QUE QUEREMOS CRIAR”.

sábado, 8 de outubro de 2011

O Ser Invisível

"Como suportar, como salvar o visível, senão fazendo dele a linguagem da ausência, do invisível?"
Rilke


Somos os artesãos da nossa própria vida. Há que cinzelar, polir paciente e incessantemente o ouro do visível para dele fazer o invisível. Construirmos aquilo que não morrerá, construirmos o nosso ser Invisível. 

Nota de 9/10/11: Depois de ter escrito este texto fui visitar o blogue "Começar de Novo" e vi que o tema escolhido pela nossa amiga Emília para o seu último post se sintonizava com o deste numa perfeita harmonia. E é assim que vamos escutando e vivendo a melodia do Universo. 
Teresa 

quinta-feira, 6 de outubro de 2011