Follow by Email

domingo, 10 de julho de 2011

POSTAIS I

"Mandem postais!" foi o repto da nossa amiga Sónia que nos cativou de imediato. Pois será isso mesmo que vos iremos enviando, de vez em quando, nestas férias: POSTAIS!

1º) O primeiro é justamente este seu post inspirador: INSPIRA E... CONTINUA!

 2º) O segundo, a sugestão de um filme: Poesia



"Para além do discurso de que a poesia está nas coisas simples, na singeleza, o filme de Lee Chang-dong versa sobre aquela poesia que é, sobretudo, um estado de espírito, um transe (in)consciente de reflexão onde afloram os mais diversos sentimentos transformadores.
A poesia que tanto busca a protagonista do filme é justamente essa que parece inalcançável, que demanda não somente esforço psicológico, mas contemplativo. A dedicação não é estritamente mental, mas observacional. Existe a necessidade de saber olhar as coisas, percebê-las, notá-las, senti-las, para somente então partir para o embate entre o papel em branco e o pincel. Trata-se de um confrontamento poético e ao mesmo tempo cruel, de conexões delicadas e operações sensíveis. O que nos leva a outra questão pontual, de escolhas bem delineadas e precisas."
Pedro Henrique Gomes

3º) O terceiro -  Reflectir nestas palavras:

  • “Após anos e anos de assistência a pessoas que vivem os seus últimos momentos, não sei muito mais sobre a morte em si mesma, mas a minha confiança na vida não tem senão aumentado. Vivo, sem dúvida, mais intensamente, com uma consciência mais aguda, aquilo que me é dado viver, alegrias e tristezas, mas também todas essas pequenas coisas quotidianas, que são óbvias, tal como o simples andar ou respirar.
    Talvez me tenha tornado mais atenta aos que me rodeiam, consciente de que não os terei sempre ao meu lado, desejosa de os descobrir e de contribuir, tanto quanto puder, para que eles venham a ser aquilo para que são chamados.
    (…) E muitos moribundos, no instante de deixarem a vida, nos têm lançado esta mensagem pungente: Não passem ao largo da vida, não passem ao largo do amor.” Marie Hennezel
  • « Pourquoi tu es vivante? Pour avoir envie de tout. Il faut mourir  vivant, il faut gouter à tout ! »
    "Elle m`a dit d`apprendre à être contente".
         
  • As palavras com que a nossa amiga Ana Teresa nos habituou: VIVA A VIDA!