Follow by Email

quinta-feira, 25 de julho de 2013


"Não há poder maior no mundo que o do tempo: Tudo sujeita, tudo muda, tudo acaba."

Padre António Vieira


O Projeto Optimismo em Construção terminou na ESM e, consequentemente, este blog termina também. Mas... Nada termina sem um novo começo. Assim, estarei noutra "casa" (http://bem-estar-juntos.webnode.pt/) e muitos dos textos que aqui publiquei estarão lá. A todos os que aqui me acompanharam agradeço do coração. Terei o maior gosto e alegria em permanecer com a vossa companhia. Que continuemos a... Bem-Estar-Juntos!

Teresa Ferreira

sábado, 6 de julho de 2013

TESOUROS

"Todos os dias, milhares de tesouros chegam até mim a cada momento que passa. Sou abençoado com dádivas ao longo de todo o dia, cujo valor ultrapassa em muito o que consigo conceber. Um irmão sorri para outro e o meu coração alegra-se. Alguém pronuncia uma palavra de gratidão e a minha mente recebe esta dádiva e toma-a como sua." 
Um Curso em Milagres

Pessoas que nos encorajam e inspiram, textos que nos ajudam a caminhar, são, para mim, dos tesouros mais preciosos que podemos ter. Hoje, relendo cadernos e livros, recordei algumas dessas grandes riquezas que partilho convosco.
“Que o Sol não se ponha...

…sobre a nossa ira! Que não passe um dia sequer sobre a nossa zanga. Que ninguém se deite sem ter reparado o mal que fez. E que o sol não se levante, de novo, sem que tudo esteja em paz. (…)
Esta ideia de não adormecer sem ter pedido desculpa a quem ofendemos ou magoámos era um princípio muito em uso no tempo dos meus avós.
Lá em casa existia como regra primordial, como lei fundamental que ninguém se atrevia a transgredir. Todos (e eram muitos) tinham tudo em dia: as contas, os deveres, os direitos e, até, as zangas. Ninguém se deitava zangado com um irmão, com o pai, a mãe ou um amigo. O tempo de arrependimento e de pedido de desculpas eram solenes e observados por todos, sem excepção. Quando o sol se punha estava tudo em ordem e era nessa ordem que todos acordavam no dia seguinte. E que bom era este ritual, que aconchego havia naquela realidade real de haver um tempo para tudo, mas especialmente para desfazer o que ficaria mal feito, de “dar o braço a torcer”, de emendar e fazer de novo.
Guardo esta sabedoria dos meus avós (que, aliás, davam o exemplo começando por aplicar o princípio a eles próprios, pais de três filhos) como um tesouro precioso. Como parte de uma herança que recebi e tem um valor incalculável. Mais do que quaisquer bens materiais valorizo os bons princípios herdados. Este de não adormecermos zangados parece-me um dos melhores conselhos que já alguma vez recebi. Nem sempre é fácil de pôr em prática, mas nunca é tarde para começar a tentar.”
  Laurinda Alves


O dragão que todos temos cá dentro

O dragão que todos temos cá dentro é uma metáfora que me foi transmitida em forma de história por um querido professor. Um dragão que deita chamas quando se sente irritado. Estas chamas acabam por circundar-nos a nós próprios, dominando-nos, destruindo-nos, quando somos nós que temos de dominar o dragão…

Um dos maiores tesouros que podemos ter é a paz de espírito e nada a pode destruir excepto a nossa irritação. Se não fizermos um esforço para diminuir a raiva, ela continuará connosco e aumentará, até ao ponto em que o mais pequeno incidente nos põe imediatamente em cólera. 
E... Não esqueçamos que: “A insatisfação é a semente da cólera.” Há que cultivar o seu antídoto: a capacidade de encantamento, o entusiasmo pela vida. Porque… Há tesouros escondidos por toda a parte. 


Tesouros escondidos




- Porque é que estás a escavar um buraco?

- Estou à procura de tesouros escondidos!

- Que encontraste?

- Umas quantas pedras sujas, uma raiz esquisita e uns vermes nojentos.

- Logo na primeira tentativa?

- Há tesouros por toda a parte!

Calvin & Hobbes
  
Como nos diz José Tolentino Mendonça citado num livro, acabado de ser editado, que recomendo vivamente para estas férias (Envelhecer Sem Ficar Velho de Maria José Costa Félix):
 “… Uma vida em que vamos fazendo coisas, que até podem ser boas e necessárias, mas onde se perdeu a capacidade de espanto, de contemplação… vai-nos afastando de caminhos que permitam ao olhar tatear a plenitude… E, sem sentirmos esse momento extasiado de pura gratuitidade em que inscrevemos o tempo na eternidade…, aquilo que criamos fica incompleto.”
Que encontrem inúmeros tesouros, inscrevendo o tempo destas férias na eternidade, é o que vos desejamos.

BOAS FÉRIAS!