Follow by Email

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Interligação (II)



 
“Para dominar o universo natural, o homem ocidental separou-se dele. Esta atitude heróica, agressiva e dominadora em relação ao ambiente é bem ilustrada, por exemplo, pela arte dos jardins clássicos em que a natureza é submetida, deformada, violada, reduzida e talhada de modo a tornar-se inteiramente concordante com uma geometria e um desenho impostos pelo homem. Numa tal perspectiva, rigorosamente antropocêntrica, as formas e os motivos naturais, não elaborados pela mão do homem, e cuja misteriosa complexidade não reflecte a de nenhum cérebro, adquirem automaticamente algo de ameaçador.”
                                                                                                      Simon Leys
 
Um dos campos em que a interligação se manifesta com maior nitidez é o da blogosfera. O post “Paga o justo pelo pecador” do blogue INESCREVER é revelador. Neste post, o texto belíssimo Rainer Maria Rilke faz-nos reflectir sobre a interconexão existente entre o homem e a natureza.
Com medo do poder da natureza e por avidez optámos por dominá-la. As consequências estão à vista: Poluição, acidentes climáticos, desflorestação, crises alimentares, doenças…
Tudo nos convoca para uma mudança, para uma reconciliação.
Em vez de nos consagrarmos unicamente à busca de soluções técnicas para poluir menos, devemos reflectir profundamente na nossa interdependência numa mesma “CASA”. A mudança, para a qual somos convocados, exige um alargamento da nossa consciência individual e colectiva. Como nos diz Marie Romanens: “Uma escuta atenta de si e do outro, um questionamento profundo dos nossos actos, da nossa forma de ser numa relação, de nos alimentarmos, de consumirmos e ocuparmos o lazer”.
Marie Romanens interpela-nos com os seguintes convites:
- Recusar a lógica da separação ao investir em laços mais humanos com os nossos próximos, estrangeiros e natureza.
- Reconhecer a natureza como o espelho das nossas almas – imergirmo-nos regularmente nela, para nos sentirmos plenamente (re)ligados e responsáveis pelo seu futuro.
- Descobrir o prazer de ser – investir em domínios que solicitem a nossa criatividade, singularidade.
- Potencializar, o mais possível, os nossos talentos na família, trabalho, amigos ou associações.
Convites a “viver de uma forma mais humana, mais responsável, mais alegre”, com um sentido que, por vezes, tanta falta nos faz.

4 comentários:

  1. Dominamos, controlamos a natureza a nosso bel-prazer sem nos importarmos com as consequências; rios são canalizados para que se aproveite melhor os terrenos, árvores são derrubadas para que se possa construir nas encostas, rios são desviados, rouba-se terreno aos mares; depois...um dia, a natureza vem pegar o que é dela; já alguma coisa se está a fazer; por exemplo em Vila do Conde toda a zona perto da praia foi protegida, tirou-se a circulação e vedações foram feitas; as dunas e sua respectiva vegetação estão-se recuperando; claro que houve reclamação..os estacionamentos perto da praia acabaram, os carros não podem ficar junto ao mar; só passam peões.Mas é assim que tem de ser e ainda há muito a fazer naquela costa. Temos de respeitar a natureza do jeito que ela é e não transformá-la a favor dos interesses económicos.Ela tem muito a nos oferecer em termos de lazer e este pode ser feito com educação e civismo. Um beijinho e vamos lá reconciliarmo-nos com a natureza, com as pessoas sejam elas de que cor, país e credo forem.
    Emília

    ResponderExcluir
  2. Há interesses económicos que dominam e impedem a aplicação global de medidas que travem o mal que nós humanos já exercemos sobre a natureza.
    Mas há uma grande consciência actual desses mesmos erros e há quem lute por fazer prevalecer as medidas urgentes já estabelecidas para travar as suas consequências.
    Esse o lado OPTIMISTA a que nos devemos agarrar!
    Cabe-nos, a nível individual participar nessa vontade de mudança... que pode começar por tentarmos por em prática os sábios conselhos de Marie Romanens aqui deixados.
    Obrigada por mais esta reflexão.
    A INTERLIGAÇÃO é fantástica e consegue maravilhas. Basta acreditar e fazer! Cada um de nós a sua parte, por pequena que possa parecer.
    Força!... para todos nós.
    Abraços
    Isabel

    ResponderExcluir
  3. Lembra-se Emília de aqui ter dito: "é esta maravilha que eu vejo nos blogs...uma troca de experiências, mensagens e desabafos que só nos enriquecem"? Pois é mesmo esta interligação, esta troca de experiências que nos enriquece. Muito obrigada pela sua partilha, por tudo o que nos acrescenta. Um resto de feliz domingo.

    ResponderExcluir
  4. É como diz Isabel:"Há uma grande consciência actual desses mesmos erros e há quem lute por fazer prevalecer as medidas urgentes já estabelecidas para travar as suas consequências." É isso que nos dá alento e ajuda a prosseguir.
    O tempo continua chuvoso, mas podemos fazer sempre o sol brilhar nos nossos corações. Um dia de luz para si!

    ResponderExcluir