Follow by Email

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

As palavras

História hassídica na versão de Christiane Singer:

"Um pobre velho ora com fervor: O rabino aproximando-se apercebe-se de que ele recita o alfabeto e surpreende-se. Dirige-se ao homem: "Que é que recitas?" E o outro: "Sabes Rabbi, sou um pobre homem sem grande instrução, sem grande inteligência e tenho medo de desagradar ao meu criador. Por isso ofereço-lhe todas as letras do alfabeto para que ele se sirva delas e componha ele a oração que gostaria de escutar."



As palavras podem ferir ou curar, alegrar ou entristecer, aliviar ou angustiar, desmotivar ou incentivar, ridicularizar ou apoiar, fechar ou portas abrir...
Poder imenso o das palavras! Mas é também na forma de as juntar que está a sua magia. É a forma de as ligar, de trazê-las à frente, ou atrás, de não dar demasiada atenção a umas em detrimento de outras, de não as atropelar, de criar espaços entre elas, de as unir em comunhão. É então que as palavras nos abrem caminhos. Somos como as palavras e, tal como elas, podemos mudar, ligarmo-nos de formas diferentes e abrir novos  caminhos. 
Nota: Este post surgiu na sequência do reenvio do vídeo acima e da leitura das últimas palavras do blogue Coração de Professor, palavras que nos preenchem de magia e inspiram o nosso caminhar.

2 comentários:

  1. Video lindo que nos mostra a magia das palavras, o poder que elas tem de provocar uma mudança, dependendo da forma como as soubermos alinhar, do modo como as soubermos interpretar. Visito com frequência o blog Coração de professor onde sempre encontro a palavra certa, a palavra mágica que é capaz de transformar para melhor o nosso momento e inspirar o nosso dia. Mas hoje, Teresa, não me alongarei com as minhas palavras. Se me permite, irei completar a minha visita com palavras muito mais sábias, palavras que inspiraram caminhos e que até hoje são louvadas por muita gente que as absorve como um alento para a alma.

    A palavra, de Carlos Drummond de Andrade

    "Já não quero dicionários
    consultados em vão.
    Quero só a palavra
    que nunca estará neles
    nem se pode inventar.
    Que resumiria o mundo
    e o substituiria.
    Mais sol do que o sol,
    dentro da qual vivêssemos
    todos em comunhão,
    mudos,
    saboreando-a."

    Atrevo-me a dizer que sei a palavra que Carlos Drummond procurava...uma palavra que todos nós procuramos, essa palavra que puxará outra e essa outra uma outra não menos importante; a ligação de todas essas palavras faria com certeza que todos vivessemos em comunhão. Mas...ele continuou a procura, sempre sem desistir de encontrar a palavra mágica...a sua palavra

    " Certa palavra dorme na sombra
    de um livro raro.
    Como desencantá-la?
    É a senha da vida
    a senha do mundo.
    Vou procurá-la.

    Vou procurá-la a vida inteira
    no mundo todo.
    Se tarda o encontro, se não a encontro,
    não desanimo,
    procuro sempre.

    Procuro sempre, e minha procura
    ficará sendo
    minha palavra."

    Carlos Drummond de Andrade

    "É a senha da vida..é a senha do mundo "...É a nossa senha procurar todos os dias a nossa palavra...a palavra mágica para fazermos as mudança necessárias...para nos unirmos em comunhão

    Um beijinho, Teresa e parabéns pelo post. Gostei muito, pois gosto de palavras. Um bom fim de semana
    Emília

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia, Emília, estas palavras de Drummond. Que bem me fez lê-las. Muito lhe agradeço, mais uma vez e sempre toda a sua partilha que tanto enriquece este blogue e alento nos dá. Um grande e sentido abraço
    Teresa

    ResponderExcluir