Follow by Email

sábado, 28 de janeiro de 2012

Moai e Ikigai

"Da mesma forma que um dia bem vivido traz uma noite feliz, uma vida bem vivida traz uma morte feliz. "
Leonardo da Vinci



Envelhecer bem: Um processo que se aprende e prepara desde a mais tenra idade. Manter a curiosidade, viver intensamente cada momento que passa, enriquecer interesses, cultivar o bom-humor, fazer uma alimentação equilibrada, treinar a memória, investir nas relações de amizade, planear, estabelecer objectivos... São, justamente, estes últimos factores que possibilitam grande parte da dimensão positiva do envelhecimento.
O grande sentido para a nossa existência adquire-se, fundamentalmente, através dos laços fortes que vamos conseguindo estabelecer ao longo da nossa vida e dos projectos/objectivos a que nos propomos: Moai e Ikigai são as bases de sustentação de uma vida plena de sentido e de uma velhice bem sucedida. 
Qual é o seu IKIGAI?

5 comentários:

  1. Ouvi com muita atenção o video, Teresa e cheguei à conclusão de que saber envelhecer é o segredo para a longevidade. Um estilo de vida saudável, manter relacionamentos que nos enriqueçam e nunca deixarmos de exercer actividades que nos agradem; exercício, deveremos fazer aqueles normais, caminhar em vez de usar o carro, andar de bicicleta e subir escada em vez de elevador; não precisaremos de ir para os ginásios onde muitas vezes os exercícios são exagerados e em vez de nos beneficiarem, prejudicam. E isto fez-me voltar aos meus tempos de criança na aldeia onde nasci; ainda há lá pessoas de idade avançada que foram vizinhas da minha mãe, que gozam de boa saúde e nunca entraram num ginásio; tiveram sim trabalho braçal, nunca usavam carro, não sabiam o que era um elevador e, o mais importante; continuam no meio social delas, algumas ainda cuidando da suas hortinhas e dos seus animais domésticos; conversam com os vizinhos, vão à igreja, convivem com os netos e filhos. Isto sim, é saber envelhecer e cabe-nos a nós deixar que os nossos idosos levem a vida que eles desejam, tendo assim uma velhice feliz.Claro que muitas vezes nos preocupam, porque já não deviam conduzir, porque já não deviam dormir sozinhos, porque é perigoso subir as escadas, etc, etc. Eu e o meu irmão ( ele é que está no Brasil com os meus pais) estamos a tentar fazer isso. Eles vivem os dois numa casa; o meu pai já não deveria conduzir, mas conduz; a minha mãe quis uma biciclete...pode cair... paciência...depois se verá o que se faz se isso acontecer. Eles estão lúcidos, querem fazer o que gostam e do jeito que lhes agrada. O que seria da minha mãe sem as plantinhas dela? Pode cair da escada quando cisma que é ela que tem de as regar? Claro que pode e até já caiu uma vez, mas felizmente não aconteceu nada. Tem empregada, mas ela continua a querer fazer certas coisas. Com o meu pai acontece o mesmo; acha que pode levar a mãe ao supermercado, que ainda conduz muito bem e não precisa que ninguém os leve. Temos medo que aconteça alguma coisa, mas não vamos tratá-los como uns inúteis. Enquanto estiverem lúcidos e capazes de olharem por si mesmos, com a empregada a ajudar no que a minha mãe achar conveniente vamos deixá-los assim; o que o meu irmão faz é passar na casa deles para ver se estão bem ou então telefonar; quando eles se sentem aflitos por algum motivo ou precisam que os leve ao médico eles telefonam e o meu irmão ou sobrinhos acompanham-nos. É assim que estamos a tentar fazer, esquecendo os possíveis perigos. Afinal, riscos todos corremos, acidentes todos podemos ter e, na cabeça deles, felizmente, eles ainda se acham capazes de cuidar deles mesmos. Quando o meu irmão telefona e conversamos sobre isso é isso que lhe digo sempre: deixa-os à vontade; deixa-os viver da maneira que querem, correr os riscos próprios da vida, riscos que sempre correram; a única coisa diferente é a idade, mas isso é para nós; na cabeça deles, não estão velhos... só precisam de fazer as coisas com mais calma.É isso também que temos de pensar deles! Só assim os deixaremos saber envelhecer. O meu IKIGAI??? Bem...ainda não sou capaz de dizer qual é. Tenho muito a aprender nesse aspecto. acompanhar o envelhecimento dos meus pais talvez me leve a descobrir qual é o meu ikigai. Já deveria ter aprendido, pois a minha mãe com a idade que tem faz determinadas coisa que eu não faço e por isso ninguém diz que ela tem 82; se eu não mudar não chegarei a essa idade com o espírito jovem que ela tem. Um beijinho, Teresa e obrigada por permitires que a reflexão sobre este assunto de faça. Fica bem, amiga!
    Emília

    ResponderExcluir
  2. Com esse legado de seus pais, minha amiga,o seu IKIGAI só pode ser de uma riqueza imensa, mesmo que, conscientemente, possa achar que ainda não não o descobriu. Que maravilha de testemunho, Emília! Porque não o partilha no www.europa.eu/ey2012? Tão importantes as suas palavras para juntar às de outros e fazer crescer uma nova perspectiva do envelhecimento... Agradeço-lhe do coração.
    Teresa

    ResponderExcluir
  3. Consegui deixar as palavras e a intenção no post do final do ano passado e na vossa proposta de SERMOS em 2012!!!
    Acho mesmo muito importante, como já disse, reflectir sobre esta caminhada que fazemos e a forma com a fazemos... para podermos efectivamente SER, com consciência, conhecimento e progresiva paz interior... e que desse crescimento resulte a possibilidade de ajudar os outros nesta caminhada comum a todos nós... respeitando, mesmo sendo tão difícil, a possibilidade de que ALGUNS possam não querer envelhecer da mesma forma que nós.
    Como fazê-los entender? Como ajudá-los? Como fazê-los acreditar que ainda vale a pena... que, mais do que nunca é tempo de experimentar outra forma de pensamento, outro desejo... e que ainda se está a tempo de crescer em vez de estagnar ou até regredir?
    Crescer é difícil!
    Um beijo grande e saudades,
    Isabel

    ResponderExcluir
  4. "Como ajudá-los? Como fazê-los acreditar que ainda vale a pena... que, mais do que nunca é tempo de experimentar outra forma de pensamento, outro desejo... e que ainda se está a tempo de crescer em vez de estagnar ou até regredir?"
    Com o nosso Amor? Creio que só ele e nele podemos SER e CRESCER. E depois... Deixar o nosso testumunho às novas gerações. Abraço grato
    Teresa

    ResponderExcluir
  5. É. Mas o Amor é difícil também.
    Tão bom quando damos e recebemos simplesmente, tendo o coração aberto, acreditando e permitindo... ams até o Amor para algumns parece ser difícil.Precisamente para alguns desses idosos que se recusama a receber, ou quem sabe, simplesmente acreditar!
    Beinhos. Gostei muito da resposta que deste. É a mais certa. Para mim o Amor vale tudo e só o amor consegue... mas o AMOR também é difícil, sobretudo, ou preecisamente nos dias de hoje, quando caad vez fa mais falta a tante gente!!!
    Obrigada por estares aqui...
    Isabel

    ResponderExcluir