Follow by Email

domingo, 22 de janeiro de 2012

Curiosidade na velhice


“Fora de Portugal olhava numa estação televisiva americana a entrevista feita a uma glória da literatura anglo – saxónica, então com 86 anos.
A jovem jornalista de microfone agressivo em punho, disparava perguntas sobre perguntas à Senhora, elegantemente vestida, com um belo cabelo louro-prateado, sóbria de jóias nas mãos patrícias, sentada com distinção natural, no jardim de uma daquelas mansões do período colonial que costumava ver nos filmes de época de Hollywood. Com paciência e até alguma complacência, foi respondendo à revoada de questões sobre as suas obras, muitas delas já adaptadas a filmes, sobre prémios e outras distinções recebidas (…)
Até que a irrequieta jornalista disparou a pergunta fatal que em português seria, mais ou menos, assim: Nesta sua idade avançada, o que é que a faz correr e amar a vida (que, subentendia-se, vai terminar em breve)?
A Senhora levantou-se, quase sem dificuldade, deu uns passos no jardim, para indicar que a entrevista estava terminada, voltou-se com uma expressão facial de irónica comiseração, disse apenas: Curiosity.”
Daniel Serrão


Não se espera, em geral, que os idosos, com toda a sua vivência, ainda revelem curiosidade. A curiosidade é a chama que ilumina a intensidade de cada momento vivido e a capacidade de nos espantarmos incessantemente com o pulsar de cada novidade pode existir em qualquer idade, mas na velhice torna-se um legado profundamente inspirador.

2 comentários:

  1. Não tinha visto este post, Teresa, mas pouco tenho a acrescentar ao que acima disse, a não ser que fico muito feliz ver a minha mãe ainda com muita curiosidade. Imagine que aos 82 ela pediu de presente de Natal uma bicicleta; ela sempre adorou andar de bicicleta e ainda gosta; claro, foi-lhe oferecida a bicicleta e tenho a certeza que vai andar nela na rua plana que tem em frente à casa dela. Gostaria de ter vontade de aos 81 andar de biciclete. Não sei!!!! Beijos
    Emília

    ResponderExcluir
  2. Que bela referência, que bonita inspiração, Emília! Com uma inspiração assim é claro que vai ter vontade de andar de bicicleta e muito, muito mais. Vai ver que as aventuras não pararão de surgir. Um abraço amigo

    ResponderExcluir