Follow by Email

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Aldeia de Ndivinduane – a infinidade dos possíveis

"Sê a mudança que queres ver no mundo"
Mahatma Gandhi

 
Tudo começou com um furo de água, água que permitiu o surgimento da Vida: A Vida de uma Comunidade.

A sede de conhecimento das novas vidas dentro da Vida é o germe do surgimento de um novo fruto: Uma escola para crianças. 
E depois outro: Uma horta comunitária onde os excedentes podem ser comercializados, dando origem a pequenos negócios. 
Recuperam-se saberes artesanais e novos frutos surgem: Oficinas de costura e tecelagem.
 As carências a nível de saúde são o embrião da construção de um posto de atendimento à população no qual se destaca o tratamento a crianças desnutridas. 
Na expressão teatral encontra a medicina preventiva o desabrochar de outros frutos: Grupos de teatro retratam cenas do quotidiano e promovem hábitos saudáveis. 

O gosto pelo desporto é o feto que abrigará a criação de equipas e campos de vários desportos. 

A difícil acessibilidade e deslocamento dão o mote para uma nova realização: A construção de várias residências de acolhimento, para professores e  para alunos… 

Ndivinduane fica localizada no distrito de Namaacha, em Moçambique, e retrata a força de projectos que se expandem para além do imaginado. Um suceder de possíveis concretizados.

Inspiradas por esta cadeia, sem fim, de sementes que desabrocham e movidas pela convicção de que a principal ajuda que se pode dar ao desenvolvimento se chama Educação, juntamo-nos, neste Natal, a este projecto: No âmbito da nossa já tradicional campanha “Uma turma/Um cabaz”, vamos tentar dar o nosso contributo para que as crianças e jovens tenham melhores condições para ler, estudar, aprender, sonhar, jogar e criar na Escola de Ndivinduane. O desafio é cada turma da E. S. M. participar com uma caixa de material escolar, mas estão todos convidados a participar. O mais pequeno gesto é precioso na mudança que queremos “SER”.

8 comentários:

  1. Sabe, Teresa, o problema maior desses países onde há fome é a falta de iniciativa dos governantes; o que na maioria das vezes é preciso é dar-lhes uma caninha para que possam pescar. Sabe tão bem quanto eu que o nordeste brasileiro tem muitos problemas com a seca; há estados, porém, em que esse problema está resolvido; há verdadeiros oásis naquela grande grande região que, por anos a fio sem chuva, se transforma num enorme deserto; aqui os governadores começaram a fazer coisas tão simples como abrir poços e a água não falta; outros estados continuam até hoje com o mesmo problema porque ainda não encontraram quem se lembrasse de fazer esse pequeno investimento. Com a água vem a fartura na mesa e com ela chega a educação e a vontade de seguir em frente com tudo o resto indispensável para uma vida mais digna.Parabéns pelo tema e pela iniciativa na escola E. S. M. Um beijinho e desejo que o projeto seja um sucesso.
    Emília

    ResponderExcluir
  2. Emília
    Este projecto, a que nos juntamos, partiu do amor à sua terra natal de um casal. E é maravilhoso ver como o primeiro passo abriu o caminho para tantos outros que vieram ao encontro das carências daquela comunidade. São exemplos como o deste casal que nos fazem acreditar no quanto podemos fazer para tornar o mundo um lugar bem mais bonito de se viver. Cremos que são estes exemplos que nos fazem caminhar. Muito obrigada pela seu apoio sempre presente e amigo. Um forte abraço
    Teresa

    ResponderExcluir
  3. Querida Teresa... e as amigas responsáveis por este blog
    ...que bom ter dado aqui um "saltinho"!... que boas essas iniciativas... já falei com uma jovem minha amiga que tem estado por lá nessas ajudas reais e directas!... dei-lhe o endereço do teu blog. Acho que ela vai gostar. Depois falamos mais sobre o assunto...
    PARABÉNS!
    beijinho
    Isabel

    ResponderExcluir
  4. E que bom "ver-te" aqui :) Isabel! Fico contente por conseguires, enfim, deixares as tuas palavras que tanta força nos dão, neste espaço. Imagino o quanto terás persistido... É essa persistência e vontade que nos inspiram e nos animam. Muito obrigada. Um grande abraço para ti
    Teresa

    ResponderExcluir
  5. ...é verdade. CONSEGUI! E FIQUEI TÃO FELIZ!!!!!!!!!
    Obrigada
    Beijinho
    Isabel

    ResponderExcluir
  6. Obrigada pelo exemplo e pela inspiração!

    Abraços para todas :)

    ResponderExcluir
  7. Olá blog,
    queria deixar aqui esta inspiração...o sonho que podemos transformar em realidade dia a dia com as nossas acções (a música é antiga, mas o sonho continua e continuará actual).
    Para isso, seremos a mudança que queremos ver no mundo.

    http://www.youtube.com/watch?v=2xB4dbdNSXY&feature=related

    Beijinho :)

    ResponderExcluir
  8. Inspiração
    igual a in-spiritu
    Inefável pulsar
    entre o denso e o súbtil.
    entre a noite e o dia,
    entre o crepúsculo e a onda luminosa.

    Maria Flávia de Monsarraz (Recados de um Mestre Interno)

    Agradecemos, Manuela, as palavras que aqui nos deixou, o pulsar que se sente sempre em si e nos contagia. Um abraço

    aNaTureza
    "E o mundo viverá como um só"... Muito obrigada Ana Teresa pelo quanto nos dá e faz sentir abrigadas neste mundo que, por vezes, nos parece tão inóspito. Deixo-lhe estas palavras de Padre António Vieira sonhando, ainda, com um caminho em que cada um dos nossos passos, por mais pequeno que seja, ajude a transformar em realidade a mudança que sonhamos.
    “Antes de haver meu e teu, havia amor, porque eu amava-vos a vós e vós a mim: mas tanto que o meu e teu se meteu de permeio, e se atravessou entre nós, logo se acabou o amor; porque vós já me não amais a mim, senão o meu, nem eu vos amo a vós, senão o vosso. No princípio do mundo, como gravemente pondera Séneca, porque não havia guerras ? Porque usavam os homens da terra como do céu. O sol, a lua, as estrelas e o uso da sua luz é comum a todos e assim era a terra no princípio: porém depois que a terra se dividiu em diferentes senhores, logo houve guerras e batalhas e se acabou a paz, porque houve meu e teu”

    ResponderExcluir