Follow by Email

quinta-feira, 19 de maio de 2011

O caminho da gratidão

   
"Devo agradecer aos deuses terem-me dado bons antepassados, um bom pai, uma boa mãe, uma boa irmã, bons preceptores, bons amigos, tudo o que se pode desejar de bom."
Marco Aurélio


       A surpresa de uma nova dádiva aguarda-nos a cada passo do nosso caminho dando-nos sempre a oportunidade de ser felizes.
      Quando sentimos gratidão reconhecemos o bem que devemos aos outros, apreciamos aquilo que nos foi dado e alegramo-nos com isso. Experimentamos uma "energia calma" e ficamos mais próximos, pela partilha, dos que nos rodeiam.
      Ao reconhecermos o bem que devemos aos outros estamos a direccionar-nos para o exterior e rompemos o laço egoísta entre "nós", as nossas "possessões" e "riquezas". Tal implica humildade. Implica também aceitação (de que somos receptores de um benefício) a qual, por sua vez, requer reflexão, responsabilidade, desprendimento. É esse, no fundo, o caminho da gratidão: Um caminho de consciencialização, humildade, reconhecimento, aceitação e maturidade.
      Um caminho que nos vai mostrando o que é realmente significativo e ajuda a desvalorizar o que é acessório e irrelevante. Um caminho de contemplação do belo milagre da vida.

Nota: O post de hoje é a repetição de um outro do meu anterior blog, pois ao ler este agradecimento fiquei contagiada com a força que dele emana e não resisti a registar, também aqui, o que significa, para mim, este caminho tão exigente de aprendizagem e, simultaneamente, tão "GRATIFICANTE".
Teresa

Um comentário:

  1. ... e haverá mais palavras a dizer, Teresa?
    ... fica-me um silêncio sereno, feliz, cheio... e a esperança de continuar a senti-lo!
    Um abraço bem apertado.
    Isabel

    ResponderExcluir