Follow by Email

sexta-feira, 13 de maio de 2011

"A minha vida é a minha mensagem"

"Estamos a pôr a felicidade sempre em coisas que não temos. Estamos a adiar a nossa felicidade. Quando, o que me parece é que devemos ser felizes agora e como estamos. (...)
Só sei responder que o sofrimento faz parte da vida. Temos que aprender com o sofrimento. Aprender a ser felizes com o que temos ao nosso alcance." 

Bento Amaral



"Bento é um exemplo de que não nos devemos resignar perante a falta de mobilidade e que isso não pode - nem deve - fazer-nos desistir dos nossos sonhos. Se nos convencermos de que a cadeira de rodas não significa nada, ela não significa mesmo nada. É uma decisão mental. E um grande passo na vida de cada um de nós."

Salvador, Lições de Vida

"Pode parecer falso, mas acredito no que Bento Amaral diz… difícil pôr na prática. Difícil entender o que não se vive. Difícil viver o difícil, o sofrimento inerente à própria vida… a FELICIDADE, CONSTRÓI-SE.

A vida é mesmo uma descoberta e uma luta contínua que se adapta a todas as circunstâncias... apenas muitas vezes não temos a capacidade de ver, sentir e prosseguir...
Há muitas formas de "paralisia"... difícil reconhecê-la, aceitá-la a aprender a contorná-la, dando o valor à vida que a vida merece e que todos nós precisamos para simplesmente aprendermos a VIVER!
Parece tão simples, não é?
... e desperdiçamos tanto todos os dias!!!!!!!"
Isabel Jácome

OBRIGADA ISABEL!

5 comentários:

  1. És uma querida, Teresa... e uma lição de vida também!
    Abraço apertado e obrigada eu, por tanto que me ensinas, que tanto dás e connosco partilhas.
    Sempre,
    Isabel

    ResponderExcluir
  2. Claro que estamos a adiar a nossa felicidade e, se não começarmos já a sentirmo-nos felizes com o que temos e com o que somos, morremos sem sermos felizes. Eu só tenho motivos para ser feliz; não há nada na minha vida que me impeça de ser felicissima; isso eu digo todos os dias a mim mesma. Tenho consciência de que sou uma previlegiada e, se, por causa de um pequeno contratempo não consigo sentir-me feliz, tenho que admitir que não sou tão forte como julgava ser. Sei também que quem é mãe entende o que estou a passar, mas também sei que por isso mesmo tenho que ganhar forças, tenho que me sentir feliz para poder ajudar. Sabe, todos nós sabemos que é assim que tem que ser, mas também sabemos que há muitas pessoas que não podem sequer, por mais força que façam, sentirem-se felizes com o que teem ou com o que são; há pessoas que não teem nada, que nem sequer teem o que comer e devem sofrer horrores ao verem os filhos com fome. Na loja social tenho visto pessoas que se contentam com massa, pois não há mais nada para comer; a loja nesta altura só tem massa; não há outro tipo de mantimentos, pois ainda não fizeram campanhas nos supermercados. Pois as pessoas levam a massa e roupas. Estas, por mais força que façam não conseguem sentir-se bem e muito menos sentirem-se felizes. Claro que o Bento é um exemplo de vida, de superação e como ele há muitos, só que nem todos teem as ajudas e oportunidades que o Bento teve ; há muitas pessoas com deficiência que não teem apoios e não são capazes de se sentirem felizes, pois além de não terem movimentos, não teem o que comer, mão teem dinheiro, não teem quem os ajude a realizar pelo menos um sonho; tudo isto o Bento teve. Gostei muito do tema, do depoimento e acho importante conseguirmos esse dom de sabermos ser felizes com o que temos, memo que tenhamos muito pouco. Também conheço gente assim...que com muito pouco se sente feliz. Tenho uma admiração tremenda por essas pessoas. Gostava de conseguir isso. Um beijinho e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderExcluir
  3. Tem razão Emília: "todos nós sabemos que é assim que tem que ser, mas também sabemos que há muitas pessoas que não podem sequer, por mais força que façam, sentirem-se felizes com o que teem ou com o que são; há pessoas que não teem nada, que nem sequer teem o que comer e devem sofrer horrores ao verem os filhos com fome".
    Poucos serão os que, em semelhantes condições do Bento, terão o apoio afectivo e material que ele teve. Tenho pensado muito nisso também. Mas também acredito que muitos dos nossos sofrimentos são mentais e que a nossa verdadeira natureza tem um âmbito infinito. Creio que este depoimento nos leva a reflectir no quanto desperdiçamos da nossa felicidade (descobrimos quase sempre tarde demais que a felicidade reside no instante, no agora, aqui,com o que temos)e que, ouvi-lo, nos faz acreditar na capacidade de superação que existe em todos nós.
    Um grande abraço para si e um fim de semana pleno de sol e alegria
    Teresa

    ResponderExcluir
  4. Também concordo Teresa que desperdiçamos muita da nossa felicidae. Assim como há aqueles que não podem sentir-se felizes, pois a vida não lhes deu as mínimas condições para isso, também há aqueles que já teem mais do que o necessário para se sentirem felizes e não o são; estão sempre insatisfeitos pensando que amanhã terão mais isto ou aquilo que lhes dará a tal felicidade. Este depoimento leva-nos, claro a refletir que há problemas muito maiores que os nossos que não impedem que as pessoas se sintam bem. Todos temos capacidade de superaçaõ, o que é preciso é saber encontrá-la; tento isso todos os dias. Quantas vezes me vejo a dizer a mim mesma: " era feliz e não sabia...quem me dera voltar atrás no tempo, altura em que nem sequer este problema tinha; lenbro-me que muitas vezes me senti em baixo; não aproveitei a felicidade daqueles tempos em que via sorrisos na face de todos aqui em casa; agora queria-os de volta e não tenho. Aqui está um exemplo de desperdicio de felicidade. Será que vou aprender com isto? Espero bem que sim. Um beijinho e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderExcluir
  5. e agora que vi que consegui deixar algumas palavras no post de hoje... venho apenas aqui acrescentar... OBRIGADA, EU, querida Teresa!
    Sempre
    Isabel

    ResponderExcluir