Follow by Email

domingo, 31 de março de 2013

Procurar dentro de nós: Optimismo e Motivação



imagem retirada daqui

Uma frase que me ficou na memória, mas não me recordo o autor é: “Se eu for 98% perfeito em qualquer coisa que faça, será dos 2% que estraguei que me lembrarei no final.” Damos, naturalmente, muito mais atenção aos acontecimentos negativos do que aos positivos. Assim, ironicamente, para sermos optimistas, temos de começar por ser realistas e objectivos. É o que nos diz Chade-Meng Tan no seu livro “Procura dentro de ti”. Este livro, merecidamente nos tops de vendas actuais, tem como título o nome de um curso que ele próprio concebeu (com a ajuda de alguns dos maiores especialistas mundiais no campo da inteligência emocional, da meditação e da psicologia positiva), administrado na Google. A ideia é simples: temos de desenvolver ao máximo a nossa capacidade de atenção. Depois, temos de focar essa atenção em nós próprios e nos outros. Por fim, vamos aprender a desenvolver hábitos mentais que nos acompanharão para sempre.
Chade-Meng Tan, céptico por natureza, rendeu-se aos benefícios, cientificamente provados, das práticas contemplativas, traduzindo os ensinamentos destas práticas para uma linguagem que as pessoas pragmáticas conseguem processar. O programa “Procura dentro de ti” apresenta-se, de facto, como irresistível: tem bases científicas, é altamente prático e tem uma linguagem extremamente acessível com um toque de humor que nos desarma e envolve. E é fantástico comprovar que o programa funciona tão bem com pessoas normais num ambiente empresarial em plena sociedade moderna.
Podemos dizer que percorre três passos essenciais:
1.     Treino da atenção – a atenção é a base de todas as capacidades cognitivas e emocionais mais elevadas.
2.     Autoconhecimento e autodomínio – através da atenção treinada adquirimos uma boa percepção dos nossos processos cognitivos e emotivos alcançando o autoconhecimento e autodomínio.
3.     Criação de hábitos mentais úteis – criar hábitos como ter o seguinte primeiro pensamento instintivo sempre que conhecemos alguém: “quero que esta pessoa seja feliz”. Hábitos como este fazem toda a diferença na nossa vida. Diferença que se baseia, também, numa aprendizagem como a do optimismo e numa descoberta como a da motivação.

Optimismo

Um dos primeiros passos para a aprendizagem do optimismo é, precisamente, ganhar consciência da nossa tendência experiencial fortemente negativa. Se um escritor receber nove críticas brilhantes e uma terrível, o mais provável é que se recorde mais dessa do que das nove positivas. É muito mais provável termos mais sucessos do que insucessos, mas prestamos demasiada atenção aos insucessos. Se compreendermos isto podemos alterar a forma como nos vemos.
O segundo passo é a atenção plena: sempre que experimentarmos um sucesso ou insucesso, devemos prestar atenção ao que se passa no nosso corpo.
O terceiro passo é a transformação: prestar atenção consciente ao sucesso e aceitar o reconhecimento merecido, criando um hábito mental de prestar a devida atenção aos sucessos. Valorizar os sucessos em detrimento dos fracassos pode soar a negação, mas na realidade, ao fazê-lo, aumentamos a objectividade equilibrando a nossa tendência fortemente negativa. Repetindo frequentemente esta prática criamos novos hábitos mentais e da próxima vez que experimentarmos um insucesso recuperaremos mais rapidamente desse revés.

Motivação


Quem melhor do que nós próprios para descobrir o que nos estimula?

Daniel Pink, citado no referido livro, considera que os três elementos da verdadeira motivação são:
1.     Autonomia: o desejo de conduzirmos as nossas próprias vidas.
2.     Domínio: a vontade de nos tornarmos cada vez melhores em algo que consideramos importante.
3.     Propósito: o anseio de fazer o que fazemos ao serviço de algo maior que nós.
Este enquadramento vai de encontro às três práticas de motivação que nos propõe  Chade-Meng Tan:
1.     Alinhamento: alinhar o nosso trabalho com os nossos valores e o nosso propósito maior.
2.     Antevisão: ver o futuro que desejamos para nós próprios.
3.     Resiliência: a capacidade de ultrapassar os obstáculos que encontramos no caminho.

Neste domingo de Páscoa, tempo de renovação e esperança, desejamos que o optimismo e a motivação vos acolham a cada passo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário