Follow by Email

domingo, 21 de outubro de 2012

Que prioridades vivo?

“O que comanda a vida é o afecto, não é o pensar.
Santo Agostinho dizia que é o querer que nos leva e estimula o intelecto e a compreensão; ao contrário do que muitas vezes pensamos. “Eu penso e depois isso passa para a realidade”, dizemos nós. Mas é mentira! Aquilo que eu penso não passa tão facilmente para a realidade, mas é aquilo que eu quero – mesmo – que determina as minhas acções. Só que, às vezes, no fundo, não queremos – ou “ainda não” queremos.
E isto é uma questão muito clara, para responder com franqueza: Que prioridades vivo? As prioridades da razão ou do coração?” 
Vasco Pinto Magalhães, sj


   
 “Tempo é uma questão de preferência. Tempo, quando você quer, arranja. Só que eu estou com mais tempo para outras coisas. Ou seja, no fundo, eu estou preferindo fazer outras coisas (…)
Isso me faz lembrar aquela história em que pediram para uma pessoa escrever uma coisa e lhe disseram que era só para Outubro. Aí a pessoa respondeu que se fosse para Outubro não tinha tempo. Mas se fosse para já, fazia, tinha tempo.” 
Jô Soares
 
O tempo não será, totalmente, uma questão de preferência, pois vivemos, de facto, muito condicionados por tensões profissionais, solicitações que nos chegam de toda a parte, inúmeras pressões que não nos permitem viver o tempo com Tempo. Mas há que reagir e para tal, como nos diz Vasco Pinto Magalhães, é necessário, em primeiro lugar, dar-se conta da mudança profunda dos nossos modelos culturais, do que está subjacente a esta mudança que nos desestrutura. Em seguida, há que assumir, purificar e desenvolver as prioridades do coração; aprender a liberdade no diálogo com os outros; saber dizer não e saber dizer sim. Sem esta sabedoria não há equilíbrio. O equilíbrio que supõe uma escolha exigente,  discernimento e força. Supõe, assim, não vivermos em "equilibrismo" que é querermos compatibilizar tudo, no fundo, estar em todo o lado e não estar em lado nenhum. Há que escolher estar aqui e agora. E depois, há que fazer e responder à pergunta certa: “O que me é realmente pedido que eu faça?”
Sim, porque a vida nos interpela, nos chama a cada momento e fazemos, cada vez menos, a pergunta certa do que nos é pedido e do que está nas nossas mãos, negando os nossos limites. Há que aceitá-los e lidar com esta profunda mudança cultural que nos condiciona e desgasta implica, para além da aceitação, uma abertura e diálogo com a realidade. Só podemos avançar se descansarmos e o descanso tem como ponto de partida um diálogo com as coisas que nos acontecem, viver os problemas em diálogo e não entrar em conflito com a realidade. E, nesse diálogo constante com as situações, com os problemas, captar deles o que interessa e deitar fora o que não interessa. Deveríamos ter, tal como nos computadores, aquele mecanismo de delete, de deitar fora aquilo que não interessa. Deveríamos ter um enorme “caixote do lixo” que nos permitisse um imenso espaço livre para o que realmente importa: O amor e o sentido. 
Fonte bibliográfica:  Vasco Pinto Magalhães, Só Avança Quem Descansa


2 comentários:

  1. OI TUDO BEM !!
    OI ADOREI SEU BLOG JÁ ESTOU SEGUINDO PODERIA POR GENTILEZA SEGUIR O MEU TAMBÉM , E CLICAR NO G+ . MEU BLOG É :- http://brechodosul.blogspot.com.br , VAI DAR UMA OLHADINHA SERÁ UM PRAZER EM RECEBER

    OBRIGADA AGUARDO SUA GENTILEZA

    MARCIA REGINA - DESCULPE-ME A LETRA GRANDE MAS SOU DEFICIENTE ESPECIAL,
    OLHA SE PUDER VOTAR NA MINHA PAGINA NO TOP BLOG DO LADO ESQUERDO ESTA EU FIQUEI ENTRE AS 100 DE VARIEDADES EU AGRADEÇO POIS ESTOU NO SEGUNDO TURNO .

    LINDA PAGINA E OBRIGADA

    ResponderExcluir